"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica, poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias." Deepak Chopra

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Unicamp estuda técnicas de cura utilizadas nas Religiões Afro-brasileiras


"Essas religiões são ricas em técnicas para potencializar o uso de folhas e substâncias da natureza que são tão eficientes quanto a biomedicina", ressaltou.
O estudo revela que a maior dificuldade para juntar os saberes biomédicos e os praticados em terreiros é o preconceito racial e religioso da comunidade.
"A população deve denunciar à polícia qualquer tipo de dificuldade no atendimento. Um terço ou outro elemento católico é aceito em um quarto de hospital. Um item de Umbanda, por vezes, não", considerou o médico.
A pesquisa, iniciada em 2013, é financiada pelo Ministério da Saúde, apoiada pela Opas (Organização Pan-Americana da Saúde e Centro de Estudos), e Cepedoc (Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis). O coordenador do estudo não informou o valor investido pelo governo federal.
http://www.destakjornal.com.br/noticias/campinas/pesquisa-da-unicamp-propoe-usar-tecnicas-dos-terreiros-no-sus-268228/






quinta-feira, 4 de junho de 2015

O TUO e Ifá - mudanças de paradigma e resignificação.







     Neste últimos meses fiz mudanças fundamentais em minha vida. Mudei de cidade, de empregos, de casa. Mudei.
    Todo esse processo levou meses, e ainda demandará muitos outros meses para se instalar definitivamente.
    Sair da zona de conforto, arduamente conquistada, e arduamente defendida, foi um esforço colossal. E no lugar da pseudo segurança anterior, ficou apenas a impressão de andar em terreno frágil, denotando a insegurança do ambiente ainda desconhecido.
      Todo esse processo tem gerado profundas reflexões, e hoje me surpreendi ao constatar que esse processo se iniciou há muitos anos. Ele se iniciou quando me propus tomar as rédeas de minha vida, assumir minhas escolhas,  e caminhos. No momento em que constatei que onde estava, não estava bom. E isso ocorreu há muitos anos atrás.
     Nascida católica, de família do interior de Minas, não é difícil explicar como fui educada. Família patriarcal, mãe submissa e calada, irmão varão. E embora eu me lembre da Congada, da Festa de Santos Reis, da Festa de São Benedito, de um quadro de Yemanjá na parede de minha avó (filha de uma rezadeira, benzedeira e parteira), os constantes benzimentos e rezações, esses assuntos sempre foram evitados. Assisti sim à missa dominical, ao terço, às procissões e novenas. A Igreja ensinava a opressão e a diferença entre as raças, classes, culturas e sexo. Cedo demais percebi que aquele mundo religioso não era exatamente o que me agradava. E menina ainda, comecei a ler Chico Xavier. Senti imenso alento em meu coração e suas obras apaziguaram minha adolescência e me deram a paciência necessária. Compreender que existia algo mais que a cruz e a dor, foi um marco em minha adolescência. Mas ainda não conseguia abandonar a Igreja e assim mantive as duas religiões, transitando sem grandes dramas conscienciais entre elas.
     Quando me mudei para São Paulo, após o fim da minha faculdade, com a finalidade de continuar minha formação médica, a cisão com a Igreja ocorreu. A cisão com tudo que ela representava, o modelo patriarcal e a submissão se foram. E  o Espiritismo permaneceu ainda por mais alguns anos, e foi na Federação Espírita de São Paulo que compreendi não pertencer àquele mundo.  Aos poucos fui entendendo que ela ainda mantinha resquícios católicos, identificados por mim no preconceito com as religiões afro-brasileiras, na certeza de superioridade frente às demais religiões, na vaidade e na arrogância disfarçadas nas palavras que estimulavam a humildade e renovação.
     E por que estava na hora, ou por receber a misericórdia divina em minha vida mais uma vez, um dia uma amiga me falou da Umbanda, e me emprestou a Proto-Síntese Cósmica. E mesmo temerosa, embuída ainda do preconceito religioso que eu trazia do Catolicismo e do Espiritismo, li avidamente este livro. Entendi patavinas, mas algo foi mexido e remexido dentro de mim. A ponto de na mesma semana procurar o rito da Rua Cheb Massud. Que encontro fabuloso comigo mesma!   Os atabaques, os pontos, os cheiros, as cores, as entidades, o Baba! Ah, minha casa. Enfim, pela primeira vez senti que estava no lugar certo, na hora certa! Minha vida nunca mais seria a mesma. 
     Dia após dia, frequentei a OICD, li os livros do meu Baba, li os livros de Pai Matta, e fui me inserindo neste novo contexto religioso. Meus preconceitos foram sendo remodelados, rejeitados e enfim, abandonados. E fui substituindo o que trazia pelo novo. Esvaziei o cálice que trazia, e o enchi novamente com o conteúdo da Umbanda Esotérica.
     Mas, devo admitir que, em alguns momentos me senti incomodada. Os conteúdos que naquele momento eu ingeria nos livros e autores novos, traziam embutidos ainda alguns conceitos presentes no Catolicismo e no Espiritismo que eu abandonara. Preconceito racial, patriarcado, submissão da mulher dando a ela funções secundárias, rejeição ao homossexualismo. 
     Como compreender afirmações como a que diz que a mulher é menos confiável, dada à futilidades, responsabilizando-a por todo o cenário deplorável religioso? Como compreender afirmações como a que diz que os negros eram uma raça ainda em evolução, e que precisavam de mais elaboração e que seu passado religioso era apenas fetiche e necessitava ser rejeitado para dar origem a uma nova forma de exercer sua fé? Que a Umbanda seria algo melhorado, superior?
     Em diversos momentos, identifiquei os mesmos ranços do Catolicismo e do Espiritismo, mas mesmo assim continuei, lendo, vendo e ouvindo, confiante de que aquele astral poderoso iria clarear melhor minhas ideias, permitindo que eu compreendesse melhor aquelas palavras. Achei que eu não conseguia atingir o alcance daquelas palavras.
     Os anos se passaram. Vi os ritos sendo realizados todos ao mesmo tempo, cada um em dia diferente. O Candomblé de Caboclo/Omolocô, a Umbanda Traçada, a Quimbanda, o Tríplice Caminho, e a Umbanda Esotérica.
   Para minha alegria, fui convidada de novo a esvaziar meu cálice, e a enchê-lo novamente, com novos conceitos, e a dar novos rumos à minha espiritualidade. E que alegria! 
   Foi com alegria que eu vi e participei de um processo intenso de transformação, onde paulatinamente a Umbanda Esotérica e seus conceitos foram sendo modificados e abandonados, até darem lugar a conceitos mais abrangentes, menos excludentes. Fui me aproximando paulatinamente das religiões afro-brasileiras, sem traumas, sem dramas. E foi com alegria que percebi que a mulher foi recolocada em posição de igualdade com o homem, que as vi receberem a iniciação na TUO. Foi com alegria que vi os homossexuais receberem o respeito que sempre mereceram, e mais, vi rolarem escada abaixo conceitos de superioridade do branco sobre o negro. Sua cultura, seu povo, sua ancestralidade passou a ser estudada com afinco, e a pautar a partir dali, toda a nossa religiosidade.

     Lembrei-me do dia em que meu irmão soube que eu era espírita, e me perguntou se eu ia no Candomblé. Lembrei-me de seu semblante aliviado ao ouvir que eu ia no Espiritismo, “menos mal” disse ele. Nesse momento, consegui compreender o quanto havia caminhado. E hoje, quando amarro meu ojá na cabeça, quando visto minha saia, quando coloco minhas guias, percebo que, além de toda a ancestralidade que isso carreia, eu me desnudo de meus preconceitos e de minha educação abrâmica. 
     Hoje, a Congada, as Festas de Reis e de São Benedito, os benzimentos e rezações de minha bisavó Mãe Chica, e o quadro de Yemanjá na parede de minha avó beata, fazem sentido em minha vida. Entendi o que significa ressignificação.
     Esse sim foi o caminho percorrido.

PS: Hoje, sei que honro minha bisavó, como herdeira de seu corolário. Sua herança ancestral me abençoa e  me impulsiona nesse caminho, há muito abandonado por minha família. E devo tudo isso a meu Babá, sem ele eu jamais teria reencontrado as pontas interrompidas do meu destino. Axé Baba mi!


Links importantes:

Falácias sobre o TUO e Pai Rivas de Ogiyan:
https://www.facebook.com/ftusp/posts/1666973850202515?fref=nf&pnref=story

https://www.facebook.com/rodrigo.garcia.3954/posts/782468095200222

https://www.facebook.com/rodrigo.garcia.3954/posts/782510078529357

https://www.facebook.com/joaoluiz.carneiro/posts/1001411123211801